sábado, 12 de março de 2011

Missionárias (os), Obreiras(os)-Evangelistas....

Faz algum tempo que desejava escrever sobre este assunto e hoje "peguei embalo" e vamos lá:
A nossa querida e amada denominação há tempos vem enfrentando a dilema da ordenação "feminina" e não pensem que é apenas por pressões externas, pelo contrário, na maioria são internas mesmo; TODAVIA - aparentemente, não vem estes "anseios" por parte das pessoas interessadas ( as nobres irmãs obreiras por este vasto Brasil e mundo).


Seja como for, independente das razões para tais anseios, parece-me que, pelo menos - em parte, houve um "avanço" ao menos no que se refere ao RECONHECIMENTO OFICIAL DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL com respeito a figura do(a) "EVANGELISTA" ( independente de gênero -  frase que está na decisão, não sou eu que estou criando!).
Pois bem, vejamos a decisão e posteriores tecerei alguns comentários segundo meu ponto de vista da mesma:
(Os destaques em itálico, negrito e outros são meus)

"SC-E-2010- Doc. 76 - Doc. LXXVI - Quanto ao documento 453 - Ementa: Relatório da Comissão Especial que trata da questão de Evangelistas.. Considerando: 1. Que o modelo de regimento interno para os Presbitérios contempla em seu artigo 18 que o "concílio poderá manter outros serviços especiais determinando aos respectivos secretários os deveres inerentes ao cargo". 2. que o artigo 39 do Regimento Interno para os Presbitérios contempla a possibilidade de reforma. 3. a possibilidade dos presbitérios estabelecer para evangelistas tratamento igual ao das secretarias de trabalhos especiais. O SC-E/IPB - 2010 RESOLVE: 1. Tomar conhecimento. 2. Aprovar o relatório da Comissão Especial que trata da questão sobre "Evangelistas", com as seguintes observações: a) a função de evangelista, independente de gênero, passa a ser reconhecida pelo título de "obreiro-evangelista"; b) acrescentar ao item 1 "sendo vedado o exercício das funções privativas do ministro", conforme artigo 31 da CI-IPB; c) quanto ao item 2.2, fica assim a redação: "Por ser vocacionado como obreiro-evangelista, o mesmo deverá ter concluído curso teológico para formação de evangelistas e missionários em um dos Institutos Bíblicos da IPB, que tenha no mínimo 02 anos de formação, ficando a responsabilidade de envio dos candidatos a cargo das igrejas, para Institutos gerenciados por presbitérios, e quando este envio se der para um Instituto fora do âmbito presbiteriano, deverá ocorrer uma consulta à JET, para que a mesma se pronuncie sobre a idoneidade do Instituto"; d) quanto ao ítem 3, fica assim a redação: "O obreiro-evangelista não integrará o quadro de obreiros do Concílio que o consagrar"; e) queda do ítem 3.1.a; f) queda do item 3.1, letra b; g) queda do ítem 3.1.c e d; h) queda do ítem 3.2; 3. quanto ao item 4, passa a ter a redação: "No ato da apresentação do obreiro, que deverá ocorrer todas as vezes que houver mudança de concílio, está deverá ser realizada mediante oração feita pelo presbitério, na ocasião o candidato à função de obreiro-evangelista deverá reafirmar a aceitação da Palavra de Deus como única regra de fé e prática, a aceitação integral dos símbolos de fé como expressão de fidelidade doutrinária, o acatamento da CI/IPB e de suas autoridades constituídas"; 4. revogam-se as decisões anteriores sobre o assunto, com destaque da decisão CE-1975 - Doc. 43 - Doc. XIV - Quanto ao doc.13, a seguir transcrita: "CE-1975 - Doc. 43 - Doc. XIV - Quanto ao doc.13 - Consulta do Presbitério de Castro sobre contratação de Evangelistas - A Comissão Executiva do Supremo Concílio, resolve: a) O Presbitério ou a Igreja pode contratar evangelista leigo; b) O evangelista leigo está sujeito ao regime de Consolidação Geral do Trabalho na categoria de empregado, condição na qual deve ser inscrito no INPS; c) Sobre o ítem c da consulta, deve o nobre Presbitério consultar o INPS." Conforme descrito a seguir, aprova-se a seguinte regulamentação de evangelista: 1. A IPB através de suas igrejas, presbitérios e juntas poderá consagrar obreiro-evangelistas para a pregação do evangelho, plantação de igrejas, discipulado, orientação bíblico-doutinária e edificação do povo de Deus. 2. A apresentação de obreiro-evangelista se dará pelas igrejas, presbitérios e juntas após receber da igreja da qual ele é membro comungante as seguintes informações: I. O candidato ser membro professo da IPB a mais de três anos; II. "Por ser vocacionado como obreiro-evangelista, o mesmo deverá ter concluído curso teológico para formação de evangelistas e missionários em um dos Institutos Bíblicos da IPB, que tenha no mínimo 02 anos de formação, ficando a responsabilidade de envio dos candidatos a cargo das igrejas, para Institutos gerenciados por presbitérios, e quando este envio se der para um Instituto fora do âmbito presbiteriano, deverá ocorrer uma consulta à JET, para que a mesma se pronuncie sobre a idoneidade do Instituto"; 3. O obreiro-evangelista não integrará o quadro de obreiros do concílio que o consagrar. 4. No ato da apresentação do obreiro-evangelista, que deverá ocorrer todas as vezes que houver mudança de concílio, está deverá ser realizada mediante oração feita pelo presbitério, na ocasião o candidato à função de obreiro-evangelista deverá reafirmar a aceitação da Palavra de Deus como única regra de fé e prática, a aceitação integral dos símbolos de fé como expressão de fidelidade doutrinária, o acatamento da CI/IPB e de suas autoridades constituídas; 5. revogam-se as decisões anteriores sobre o assunto, com destaque da decisão CE-1975 - Doc. 43 - Doc. XIV - Quanto ao doc.13, a seguir transcrita: "CE-1975 - Doc. 43 - Doc. XIV - Quanto ao doc.13 - Consulta do Presbitério de Castro sobre contratação de Evangelistas - A Comissão Executiva do Supremo Concílio, resolve: a) O Presbitério ou a Igreja pode contratar evangelista leigo; b) O evangelista leigo está sujeito ao regime de Consolidação Geral do Trabalho na categoria de empregado, condição na qual deve ser inscrito no INPS; c) Sobre o ítem c da consulta, deve o nobre Presbitério consultar o INPS. ."

Ao meu ver ficou um pouco ( ou muito) confusa; contudo dá para entender o "espírito do documento" que é o reconhecimento oficial da figura do "obreiro-evangelista" e os trâmites para que ocorra a CONSAGRAÇÃO.
Pontos que destaco que ao meu ver precisam ser revistos ou reeditados ou pelos menos EXPLICADOS quanto a decisão:
1- A definição de gênero que para nós, cristão-reformados, só existe MACHO ou FÊMEA, homem ou mulher ( Gn. 1.27); acredito que poderia ser utilizado o termo bíblico, não deixando assim margem para outras interpretações.
2 - Quanto o título "obreiro-evangelista" fica prejudicado por não contemplar a "obreira-evangelista", uma vez que obreiro é um substantivo masculino singular, enquanto que com o segundo termo não teriamos problema pois abrange a ambos - homem ou mulher.
3 - A CONSAGRAÇÃO, sinceramente, entendi o que está escrito, mas não a sua execução, pois ao mesmo tempo que os Concílios (inclusive CONSELHO que é um Concílio) pode contar os labor de um(a) "obreiro(a)-evangelista" parece-me, pelo documento aprovado, que somente o Presbitério que poderá fazer a consagração!? Será que entendi errado!? Ou por usar o termo presbitério (com letra minúscula) se refere aos diferentes Concílios da IPB, inclusive Conselho ? Bom, neste caso, o Conselho poderia fazê-lo? 
E mais, com imposição de mãos ou não?
4 - Faltou ainda, ao meu ver, uma explanação, nem que fosse sintética, da diferenciação de ORDENAÇÃO e CONSAGRAÇÃO; pois ao meu ver, quiseram fazer essa distinção, inclusive para diferenciar do que ocorre com os Ministros do Evangelho na I.P.B.. E especialmente mantendo a tradição e compreensão bíblico da denominação no que se refere a ordenação feminina ( até o momento entende-se não haver base bíblica para tal!!! E a decisão fez essa sutil distinção ao usar o termo consagração e não ordenação!)
5- Outro ponto positivo a destacar é que, com o reconhecimento, muda também o tipificação da atividade; pois antes da decisão todos os evangelistas (missionários(as), etc.) que não fossem Ministros do Evangelho; deveriam ser registrados em carteira de trabalho e seguir a C.L.T. do Brasil( Consolidação das Leis do Trabalho), inclusive com pagamento dos respectivos encargos sociais. COM A DECISÃO o "obreiro-evangelista" passa a  ser considerado "legalmente" com uma "forma" de ofício ministerial enquandrando-se na questão vocacional e sem vínculo empregatício.
Pois bem, deixando mais clara as coisas, cada "obreiro(a)-evangelista" deverá se inscrever na Previdência Social como autônomo ( sacerdote ou equiparado) e contribuir de acordo com o valor recebido mensalmente; não só pensando na questão de aposentadoria, mas também no caso de pensão na eventualidade de algo impeditivo do exercício de suas funções (doenças, acidentes etc.).
NO MEU ENTENDER, aplica-se aqui a equilavência quanto ao que ocorre com o Ministro do Evangelho, devendo a Igreja ou Concílio reembolsar 50% do que for efetivamente arrecadado a Previdência Social. Também o F.A.P. ( 8% sobre o auxílio mensal recebido, seguindo as regras do Fundo) - ainda que o mesmo tenha sido criado pensando nos Ministros do Evangelho, ao se criar nova categoria de "colaborador" convêm estender o benefício que, ao final, trás mais equidade aos Concílios do que "despesas" se formos pensar administrativamente falando.
Além é claro do direito a férias e outros detalhes pertinentes!
POR FIM, reconheço ser um grande avanço o reconhecimento oficial dos "evangelistas" independente da nomenclatura ou forma de "dedicação"; pois de fato a denominação tem formado, enviado e sido abençoada pelo labor desses irmãos que agora tem não só o reconhecimento oficial da igreja, mas também uma diretriz clara do  caminho a ser percorrido com vista a esse tipo de "ministério".
Parabéns a I.P.B., louvado seja o SENHOR pelos evangelista (homem ou mulher), missionários, missionárias, etc.; que por toda o Brasil e mundo, tem cooperado na grande obra do nosso DEUS.
Há sempre PAZ em Jesus - o Cristo!

7 comentários:

  1. Olá Pastor,

    O blog do senhor é muito bom, já estou seguindo. Se desejar seguir o meu será um enorme prazer!!!!

    www.enoquegomesdossantos.blogspot.com

    Abraço

    Enoque Gomes

    ResponderExcluir
  2. Seja bem-vindo, PAZ em Cristo Jesus - Nosso Senhor e Salvador!
    Agradeço estar seguindo nosso blog e já add também o teu !
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Muito bom e esclarecedor seu Blog, parabéns pastor Hélio, estava faltando.

    ResponderExcluir
  4. só uma pergunta: com respeito ao tempo de formação do Evangelista: 2 anos, mas isto se aplica a qual tipo de formação? tempo integral tipo IBEL, ou seja tem ser um ibelino, ou pode ser CPO, no esquema 1 mês no IBL e tarefas feitas em casa ao longo do ano?

    ResponderExcluir
  5. Desculpe não ter respondido antes, estava viajando/estudando em S. Paulo - SP!
    A minha compreensão é que vale também para o C.P.O.; mas o texto não é claro neste sentido!
    Há sempre PAZ em Jesus - o Cristo!

    ResponderExcluir
  6. Irmãos, Graça e Paz em cristo.
    Louvo a Deus pelo trabalho da IPB, e muito tenho me alimentado com seus livros e artigos de altíssimo nível e fácil compreensão, pois, quando olho para alguns irmãos os vejo no lugar certo, fazendo a vontade de Deus com suas produções e atividades em Cristo dai entendo o seu chamado, no entanto, quando discutimos, ou refletimos a questão do Evangelista dentro das IPB's, encontramos pessoas no lugar errado, falando de algum que não vivem e nem praticam, não fazem o corpo a corpo e nem o de casa em casa, pois estão se ocupando com outros interesses pessoais e sociais, assim será por muito tempo, infelizmente. Deus o Fortaleça em Cristo. evelizeu@terra.com.br

    ResponderExcluir
  7. Prezado ir. Ev. Elizeu!
    Agradeço tuas palavras; elas nos motivam a continuar ainda que alguns achem este esforço um desperdício!!!
    Infelizmente irmão, eu já fui um "evangelista" que não era evangelista, pois tinha sob meus cuidados três campos ( Congregações Presbiteriais) o que exigia muito de mim - mais atuando junto ao rebanho, do que exercendo mesmo o ministério de um "evangelista" mesmo!
    MAS - eu acredito que Deus tem capacidados muitos com esse "dom" e que cabe a nós, igreja - IPB, reconhecer e - num bom sentido - aproveitar melhor a todos na seara!
    Deus continue abençoando a tua vida!
    Há sempre PAZ em Jesus - o Cristo!

    ResponderExcluir